Terça, 19 de Outubro de 2021
29°

Pancada de chuva

Parintins - AM

Entretenimento & Cultura Rainha da Amazônia

Círio de Nazaré: Uma manifestação com cheiro de maniçoba, gosto de açaí, som de Fafá de Belém e alegria do Pará

Para os paraenses o Círio de Nazaré vai além de uma celebração religiosa. Ele é cultura, é festa, é uma confraternização, é união das famílias

11/10/2021 às 07h48 Atualizada em 11/10/2021 às 12h32
Por: Redação
Compartilhe:
Foto: Grupo Liberal
Foto: Grupo Liberal

Parintins (Am) – Ontem (10/10) foi um domingo santo, que não podemos descrever ou pelo menos assim cantam as pessoas que acompanham o Círio de Nossa Senhora de Nazaré, padroeira do estado do Pará. Assistindo vídeos, vendo fotos e as declarações das pessoas que estavam presentes na procissão fiquei tomado pela emoção e pela vontade de conhecer um pouco mais de uma das maiores manifestações de fé e religiosidade do Brasil.

Cresci ouvindo os relatos de minha mãe, Valdinete Rodrigues, quando ainda jovem teve a oportunidade de estar no meio da multidão de Maria, na capital do seu estado de origem. Sou filho e neto de paraenses e minha cidade, Parintins (AM), é um dos lugares com muitos paraenses radicados, até um bairro em Parintins leva o nome da padroeira do Pará. Minha mãe sempre falou do quanto é importante conhecer essa manifestação para sentir com a alma a emoção de estar na festa da Rainha da Amazônia.

Na noite deste domingo conversei com algumas pessoas e pedi que explicassem o sentimento de participar dessa caminhada de fé e todos reafirmam o que diz a composição do Padre Fábio de Melo, que nos emociona na voz de Fafá de Belém quando diz que: “Nenhuma explicação sabe explicar”.

Em virtude da Pandemia, este ano, o Círio não foi realizado como tradicionalmente acontece, entretanto, milhares de pessoas fizeram o percurso da procissão na 229ª edição da celebração católica. Entre 400 e 500 mil fiéis caminharam pelas ruas de Belém. Centenas de romeiros viajaram até a capital paraense. O casal Helder Marconi e Ozinete Melo vivenciou esse momento pela primeira vez. Eles foram tocados por uma mensagem que os incentivou a ir à Belém após assistirem o círio pela televisão.

“Tudo começou em 2019. Eu estava assistindo no meu quarto o círio e me emocionei, chorei e como se eu estivesse recebendo uma mensagem me dizendo para participar daquele evento religioso. Foi muito forte. Eu conversei com a minha esposa, falei pra ela quando me viu chorando no quarto. Logo, imediatamente, eu comprei as passagens, hotel, tudinho pra vim pra cá, só que infelizmente no ano seguinte veio a pandemia e não teve o Círio. Mas, graças a Deus, esse ano deu tudo certo, apesar das restrições que tá havendo aqui em Belém, mas milhares de pessoas puderam compareceram”, relata Marconi.

Helder Marcone e Ozinete Melo durante as homenagens a Nossa Senhora de Nazaré 

A voz de Helder começa a  embargar e seus relatos são cada vez mais emocionantes ao descrever a sensação de participar pela primeira vez das homenagens a santa que teve sua imagem encontrada em 1700 por  Plácido José de Souza, que deu origem a devoção mariana na região.

“Foi uma emoção única, ímpar. Nunca na minha vida eu senti uma emoção tão forte. A basílica de Nossa Senhora de Nazaré é um lugar sagrado, é um lugar de paz, é um lugar magnífico. E a gente sente uma emoção, uma presença de Deus muito forte. Eu e minha esposa nos emocionamos muito, porque vivemos dias difíceis. A gente se ajoelhou e rezou, pediu muito, agradeceu, pediu demais saúde. O que mais a gente pediu foi saúde, porque passamos por um momento difícil. Pedimos saúde a todos os meus amigos, todos os meus familiares, de toda a população de Parintins, porque nós sabemos o que passamos”, descreveu emocionado.

Para os paraenses o Círio de Nazaré vai além de uma celebração religiosa. Ele é cultura, é festa, é uma confraternização, é união das famílias. “O círio é o nosso Natal, é o Natal do paraense, porque após a romaria, as famílias se reúnem para o tradicional almoço do círio”, explica Socorrinha Carvalho, que reafirma que Círio agrega cores, sabores, cheiros e por isso é muito forte e importante para o paraense.

O Pará é um dos poucos lugares no Brasil onde se deseja um Feliz Círio como se fosse um Feliz Natal dos devotos da padroeira, desejando que Nossa Senhora proteja, que o círio traga esperança e que a paz possa reinar na vida de todos.

Socorrinha com a família durante a caminhada do círio de Nazaré. Foto: Arquivo de família 

A formalidade que devotos de santos católicos cumprem por todo o Brasil é quebrada no Pará, onde Nossa Senhora de Nazaré é íntima de todos e celebrada sem cerimônias. “Ela faz parte da nossa vida, como se fosse da nossa Família e a chamamos de Nazinha. É como se ela fizesse parte mesmo da gente, ela está na casa de todo mundo, na vida de todo mundo. É muito difícil encontrar um paraense que fale Nossa Senhora de Nazaré, a chamamos de Nazinha ou Nazarezinha”, ressalta Carvalho.

Socorrinha Carvalho e o esposo Paulo Neto 

Socorrinha conversou comigo já no fim da noite deste domingo e encerrou a entrevista citando a música “Eu sou de lá”, ao explicar que o Círio" é muito mais que ver um mar de gente":

“Pra mim  é uma das músicas que mais representa o sentimento do paraense no Círio. É uma letra perfeita pra explicar o que é o Círio no coração de nós paraenses. É impossível de descrever o misto de sentimentos que a gente sente. Imagina juntar o profano com o católico, com o religioso, tudo junto, sabe? Mistura! É como eu te disse mistura a festa de Nossa Senhora do Carmo com o Festival Folclórico de Parintins e o Natal tudo numa data. Mistura bem e é o círio de Nazaré”.

Cultura, arte, religiosidade, fé entre tantas outras coisas que podemos misturar na grande manifestação popular, religiosa com cheiro de maniçoba, gosto de açaí, som de Fafá de Belém e alegria do Pará. Partiu Círio de Nazaré 2022.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Carlos Alexandre
Carlos Alexandre
Sobre Carlos Alexandre Rodrigues Ferreira é formado em Comunicação Social/Jornalismo, pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM)(2012). Atua em rádio, televisão, Jornalismo online e assessoria de imprensa. Nesta coluna Carlos Alexandre escreve sobre política, cultura, variedade e navegará nos bastidores da notícia.
Parintins - AM Atualizado às 18h18 - Fonte: ClimaTempo
29°
Pancada de chuva

Mín. 24° Máx. 31°

Qua 29°C 23°C
Qui 31°C 22°C
Sex 32°C 22°C
Sáb 31°C 23°C
Dom 32°C 24°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias